sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Luto


Escute o grito da mãe que chora
Veja tristeza no olhar da criança órfã
Preste  atenção no semblante das mulheres amadas
Repare no sorriso triste dos amigos

Não há como ficar indiferente
A dor do outro é também a dor da gente

Há um silêncio que grita latejante
È possível ouvir o eco pedindo paz por toda  parte

Uma cidade enlutada
De mãos atadas
Rosas murchas
Vozes caladas
Lágrimas de sangue
Feridas abertas

Nosso pranto é de dor e saudade

Nosso grito clama por paz nessa cidade.