segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Política do interior

Só quem vive em cidade do interior conhece bem como funciona o período eleitoral e só quem vê com olhos de imparcialidade (o que não quer dizer que não tenha suas escolhas) consegue visualizar claramente as incoerências de ambos os lados.
Gosto desse período, embora já gostei bem mais. Minha intenção não é criticar ninguém, a intenção não é falar de nenhum partido específico, já que mesmo com suas diferenças, as atitudes de ambos são bem parecidas. Apenas me dei o prazer de ser mais observadora e tecer alguns comentários que acho bem pertinentes.
Leonardo Boff, um grande filosófo disse que “cada ponto de vista é a vista de um ponto”, ou seja, cada um enxerga aquilo que quer ver. Tem coisa pra deixar as pessoas mais “cegas” que a política, ou melhor, politicagem, não precisamos ir ao dicionário todos conhecem a diferença.
Outro dia estava observando o facebook e vi o quanto o mesmo se transformou em um excelente lugar para deixar bem claro de quem é seu voto, as fotos do perfil foram logo modificadas, enquetes para saber em quem votam os amigos volta e meia aparece e acredita tem gente que ainda perde o tempo contando. Para que querido/a?  A urna já faz isso.
Falando ainda em facebook, tem gente que nesse período limita suas postagens a pregar pirraças, provocações, tenta amedrontar outro lado, fazer piadinhas, o legal é que o facebook te lembrará disso depois e pode ter certeza você vai rir bastante e quem sabe até chorar de vergonha ou de raiva, porque se tem coisa mais instável que política, desconheço.
Outro ponto bem interessante são os adesivos dos candidatos, tem gente que pensa, quanto mais, melhor, precisamos ser notados. Esses dias vi um senhor com um na testa, achei muito engraçado, se ele queria aparecer, conseguiu.
Agora o ponto que mais chama minha atenção é a discussão da quantidade de pessoas nas passeatas e comícios, uns dizem que não tinha ninguém, outros dizem que tinha, mas o povo era de outro município. Acho bem contraditório, se acham que tem gente de fora, então estão reconhecendo que tem muita gente, se acham que tem poucas pessoas, então não tem gente de fora. Oi! Como assim? Que tal o grupo chegar a um consenso.
E a quantidade de adolescentes com menos de 16 anos que vão aos movimentos políticos para curtir, paquerar é imensa, geralmente, vão aos movimentos dos dois partidos, numa cidade pacata sem muitas diversões, precisam mesmo é aproveitar e estão certinhos. O legal de tudo isso é que todo mundo conta como voto, só que não!
E quando a oposição filma ou fotografa o partido contrário ao seu, escolhe o pior ângulo, quando compara fotos pega sempre a mais escura e com menos pessoas. Esses dias assisti a um vídeo de uma passeata gravado por uma pessoa contrária ao candidato,  mostrando pouquíssimas pessoas, depois vi um vídeo da mesma passeata gravada por uma pessoa favorável que mostrava muita gente. Ah! Como assim? Foi o mesmo movimento? O que comprova aquilo que Leonardo Boff disse “Cada um lê com os olhos que tem”.
Outra coisa que merece ser destacada na política do interior são  as apostas, tem sempre gente querendo apostar, falta apostar a família de tão grande que é a certeza e o pior acha apostador, o que prova que a certeza não é de um só lado, mas sabemos, há  alguém  bem equivocado.
E  as músicas copiadas de outras cidades e que nem sempre tem a ver com a nossa realidade e assim mesmo a gente canta, o importante é pular, é se divertir. È igual carnaval, quem liga pra letra, o que conta é se a melodia faz a gente sentir vontade de dançar.
È, está chegando o fim de mais um período eleitoral, e teremos que esperar mais 4 anos para ver tudo acontecer novamente. Que possamos votar  com consciência e escolher o futuro da nossa cidade e quando sair o resultado das eleições, (resultado escolhido pela maioria), não adianta questionar, deve-se divertir, comemorar e sobretudo, respeitar o outro, somos todos cidadãos mulunguenses e o melhor para nossa cidade é que possamos conviver harmoniosamente.  

Certezas

Não gosto de certezas
 Quando elas são resultados de achismos alheios.
  Não gosto de certezas
 Que deixa brechas para dúvidas.
  Não gosto de certezas
 E suas limitações.
 Odeio gente cheia de certezas
 E vazias de comprovações.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

VOLTEI

Andei bastante sumida desse espaço que me fiz com tanto carinho. A correria do trabalho tomou meu tempo. Mas voltei, quero aproveitar esse espaço para postar meus textos e indicações de livros que leio e tudo mais que me der vontade. Bjos
O que mais me ENCANTA na vida é sua imprevisibilidade O que mais me AMEDRONTA na vida é sua imprevisibilidade #viverumdiadecadavez