quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Em busca de mim

"Sou
 a única pessoa do mundo
 que eu realmente queria
 conhecer bem"  

 Oscar Wilde



Em busca de mim

Já não sei quem sou
Onde me perdi?
O que de mim em mim restou?

Como queria sair desse labirinto
expressar tudo o que sinto
sem medo, sem pudor

Como queria me esquecer no tempo
acabar com todo esse sofrimento
Afogar, num pranto toda essa saudade..
acreditar que ainda há verdade

Esquecer todos os desenganos
Tecer outros planos
Pra tentar ser feliz

Quantos desejos perdidos pelo espaço
Quantos sonhos desfeitos pelo cansaço
já não sei quem sou e nem o que faço

Sou menina que precisa crescer
Sou uma mulher que precisa rejuvenescer

Quantos desenganos sem quê
Quanto amor pra quê?
Quanto medo de sofrer

Como queria gritar tantas verdades
Desenganar meu ser de enganos
Tecer outros planos
Pra tentar ser feliz


Como queria encontrar
luz na escuridão
Companhia na solidão

Como queria acreditar que aquilo
que digo ser tudo
Não são loucas esperanças

Como queria me encontrar
nesse labirinto

Não ser no mundo mais um errado
Que ainda vive do passado

Como queria deixar de me ocultar no tempo
Fazer agora a diferença
Pra no futuro ser quem eu sempre quis

Como queria
acabar com tantas mentiras
com esperanças perdidas
Traçar urgentemente uma nova vida


Yeda



domingo, 15 de maio de 2011

Quero encantar-me com teus encantos



Caminho sozinha
Querendo te encontar
Caminho entre pedras e espinhos
Nem sei onde parar


Caminho pelo escuro
Inventando paixões
Dando a cara contra o muro
Vivendo desilusões


Caminho por pegadas
Que não existem mais
Ando buscando o teu olhar
Perdendo-me diferentes cais

Caminho, caminho só pra te encontrar

Quero encantar-me com teus encantos
Poder sem nenhum medo, te olhar
Ver uma onda de sorrisos ocupar
O lugar de tantos  prantos




Caminho sem mapas, sem bússolas, sem orientações
Não sei qual a direção tomar
Caminho sozinha,
Sem saber se devo parar


Perdida, sem horizontes
Eu, ainda, não deixo de te procurar




Querendo te encontrar
Sou capaz de outros  tantos caminhos inventar
E sem medo de nada: viver a caminhar
Caminhar, caminhar
Só assim, serei imensamente feliz 
Quando  finalmente te encontrar


Amor, tenho tanta pressa: 
De encantar-me com teus encantos






"Amor, onde estás?
Que não respondes?"













segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Monotonia


Vai-se um dia e vem outro dia
Dias que cansam e entediam


Acreditando que não pode mudar
A gente acostuma a se acostumar
Há tanta monotonia em meus dias
Me diz pra quando está previsto mudanças?


Hoje...

Decidi jogar fora o controle remoto da monotonia
Seus botões não me levam a nada

Estou cansada de uma vida programada
Sem encontrar soluções

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou e não pretendo voltar

Sem medo de arrependimento
Não importo com que vou deixar


Quero dias diferentes
Não posso ficar como essa gente
Que com tudo se acostuma


Vou pra Pasárgada
Procurar um milagroso remédio
Que dê fim a uma vida de tédio!

E se você também está cansado de uma vida programada
Posso conseguir uma passagem pra Pasárgada!

sábado, 19 de fevereiro de 2011

É madrugada



É madrugada...

Nesta hora há corações dilacerados

Olhos naufragados


Nesta hora há poesias sendo escritas

Verdades que precisam ser ditas



Nesta hora há sonhos desfeitos

Resquícios de amores imperfeitos



Nesta hora há tantos corpos cansados

Homens e mulheres preocupados

Nesta hora há jovens nas baladas
Deixando suas mães desesperadas


É madrugada...

Nesta hora há

Gente trabalhando

Gente amando

Gente acordando

Gente dormindo

Gente sonhando

Gente sofrendo

Gente morrendo

Gente nascendo

Gente escrevendo

Gente lendo

Gente sorrindo

Gente chorando

Gente orando

Gente acreditando no novo amanhecer!


É madrugada...

Não sou poeta

Gostaria de ter o dom de escrever poesias como as de Cecília Meireles, Carlos Drummond, Vinicius de Moraes e tantos outros.
Não sou poeta, mas tento expressar o que sinto sem me importar com métrica, rima, sem me preocupar se as palavras são as mais bonitas, as mais encantadoras, escrevo aquilo que o coração pede e a mão obedece. Embora acredito, muitas vezes, que há uma distância entre o coração e o papel, palavras que se perdem pelo caminho.
Admiro poetas, gosto de poesias, aprecio cada palavra escrita, invento escrever somente para sentir a minha alma falar. Invento escrever, porque é muito mais difícil calar!

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

.... ♥... ♥




Ainda não te encontrei, mas sei que estás a minha procura também
Perceberei o teu olhar
E passarei a acreditar que ele é destinado a mim
Perceberei que me procurarás na multidão
E passarei a acreditar no nosso encontro
Perceberei seu sorriso
E passarei a acreditar que farei parte da tua felicidade
Perceberei você
E passarei a acreditar novamente
No amor...
Creio no destino
E tudo é só uma questão de tempo

Fotos

Era pra ser, não foi. As fotos tiradas ainda continuam guardadas, pensei em rasgá-las, me faltou coragem. Guardei-as, como quem guarda algum objeto de muito valor. Assim, que a saudade aumenta, pego-as, olho-as e sinto ainda mais saudade.
Talvez, amanhã ou depois eu decida me desfazer delas, hoje ainda olhá-las me traz uma paz de desejo satisfeito.