quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Quero...

Quero que todos os dias o sol me convide a viver
E que esse convite seja irrecusável
Quero que todos os dias
O meu despertador me convide
A enfrentar o dia
Com uma melodiosa canção
Quero que todos os dias eu possa ser útil a alguém
Quero viver sem medo de errar
Porque os que temem não ousam arriscar
Quero arriscar sem medo
Quero sentir o amor,
Quero viver o amor,
Quero amar e ser amada,
Talvez o mundo que eu desejo nunca virá
Mas farei dele o sentido da minha vida
E se nada me restar
Quero sentar velhinha em uma cadeira de balanço, num lugar calmo e tranquilo e depois de um longo suspiro
Dizer eu vivi e não apenas passei pela vida.

sábado, 14 de novembro de 2009

Migalhas de amor

Sei que o que me dás
São migalhas de amor
Migalhas que eu não rejeito
Eu aceito

Aceito por te amar
Aceito na esperança de tudo mudar
Migalhas que eu não rejeito
Eu aceito

Sei que essas migalhas,
Por um momento me faz crer
Que tudo vai se resolver
Migalhas que eu não rejeito
Eu aceito.

Migalhas de um amor atordoado
Migalhas de um amor passado
Migalhas de desencontros
Migalhas de reencontro
Migalhas que eu não rejeito
Eu aceito

Se aceito essas migalhas
Saiba que é por te amar
E por crer que tudo vai mudar

Migalhas que eu não rejeito
Eu aceito
Ah, EU ACEITO, EU ACEITO, EU ACEITO...

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Indecisão

Quisera eu escrever
Tudo que sinto
Quisera eu acreditar em tudo que me dizes
Ir sem medo...
Sem medo de sofrer...
Sem medo de amar...
Sem medo de arrepender...
Palavras já não consertam mais nada
Sentimentos mascarados
Agora revelados?
Em nome de quê?
Tenho medo de sofrer
Tenho medo de amar
Tenho de arrepender
O tempo não espera
E eu preciso de tempo
Tempo pra pensar
Talvez seja o tempo necessário pra tudo acabar
Quisera eu poder agir só movida pelo coração
Mas, mais uma vez ouvirei a razão...


Senhor, me ajude a tomar a melhor decisão!

sexta-feira, 10 de abril de 2009

.................

Pra quem choro?
Se minhas lágrimas se perderão no caminho do meu rosto
Para que questiono?
Se não sei onde achar as respostas
Por que lembro?
Se essas lembranças, machucam
Para quem escrevo?
Se não compreendes minhas palavras cheias de devaneios
Se não consegues decodificar o que sinto.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

A vida


O que fazer dessa vida?

Em que as horas passam velozes

Sem nos dar tempo para nos preocuparmos com o tempo

Em que o ontem já não faz mais sentido

Em que o futuro parece não ser como planejávamos


É o que fazer dessa vida?

Em que a indecisão, o medo nos acompanha

Nuvens negras nos nossos dias

Ventos indifirentes

Que vem, que vão


Eu sei...

Que os problemas não são só meus

Que a vida não pára


Eu sei...

Que amores verdadeiros não morrem

Apenas adormecem medicados pelo remédio do tempo


Eu sei...

Que há tantas coisas nesse mundo

Que falam mais alto do que o amor



Eu sei..

Que há tanta gente sufocada

Com palavras presas

Gente sofrendo


Eu tenho medo

Que eu sempre escolha as pessoas erradas para amar

Que a vida continue tão sem graça

Que eu colecione desilusões amorosas

Que eu não seja a protagonista de minha própria história


Eu tenho medo..

Medo de não ter coragem

Medo de enfrentar a vida

Medo das pessoas medíocres

Medo de não ser feliz


Eu acredito...

Que a vida é muito pra ser insignificante

Que o destino é um grande aliado

Que há muitas coisas verdadeiras que nenhuma força do mal consegue apagar


Eu não abro mão...

Dos momentos que guardo em minha mente

Das palavras que estão em minha garganta

Dos sonhos que tenho em meu coração


Eu não abro mão...

De um sorriso sincero

De um abraço de um amigo verdadeiro

Da minha vã filosofia


Eu também sei...

Que há amigos que não valem o substantivo

Amores que não valem a essência

E sorrisos que não valem a verdade


É, eu sei...

Que muita coisa vai mudar

E que por mais acredite na vida

Muita coisa vai me fazer desacreditar


Mas quero continuar acreditando

Que um dia a vida será diferente


segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Os que amam, também silenciam...



Enganado está quem julga que o silêncio não é sinal de amor
O silêncio revela muito
Muitas vezes não falamos porque pensamos no outro
E assim, acabamos deixando que o nosso silêncio fale por nós


Os que silenciam, também amam

Silenciam-se as palavras
E ao contrário do que acredita
Eu ainda continuo te amando

Feridas se abrem
O tempo passa
E eu ainda continuo te amando

Sombras e nuvens que invade esse silêncio
As palavras calaram-se apenas
E eu ainda continuo te amando


Tantas coisas ditas, um dia
E hoje há um silêncio
Silêncio das palavras minhas
Silêncio das palavras tuas

Eu quis dizer, mas você não deixou
Eu quis lutar e acabei desistindo
Palavras reservadas que guardei somente pra mim
Talvez não mudasse em nada se as tivesse ouvido

Respeitei o teu sentimento
E foi por isso que calei a minha voz
Sufoquei as minhas lágrimas
Pra que vivesse a tua vida sem mim

Meu amor,
Se não conseguir entender o meu silêncio
Entenderei de que nada adiantaria
Todas as palavras que um dia pensei em lhe dizer.

Ah, enganado está
Quem acredita que no silêncio
Não haja amor!
Os que silenciam, também amam.